81% das empresas pretendem investir na saúde do trabalhador

agosto 13 2021

A grande maioria das empresas brasileiras deve criar ou melhorar programas de promoção da saúde nos próximos anos.
A grande maioria das empresas brasileiras deve criar ou melhorar programas de promoção da saúde nos próximos anos. A pesquisa foi feita pelo Serviço Social da Indústria (SESI) e, 81% disseram que a melhoria contínua dessas iniciativas é uma tendência e veem suas empresas fazendo parte dela.
O levantamento foi realizado entre 11 de novembro e 2 de dezembro de 2020 e, entre as empresas consultadas, 55% são de pequeno porte, 25% médias e 20% grandes indústrias. Mesmo com esses avanços, há, por outro lado, um desafio maior: o crescimento de afastamentos por doenças não relacionadas ao trabalho, como as doenças osteomusculares, os transtornos mentais e comportamentais, os problemas de saúde causados por violência e acidentes de trânsito e as doenças crônicas não transmissíveis.
Nesse novo contexto, as empresas são desafiadas a aprimorarem seus esforços em saúde e segurança no trabalho para ampliarem os resultados positivos que vêm obtendo. Ao mesmo tempo precisam tratar a saúde do trabalhador de forma mais integral para reduzir custos relacionados a ausências no trabalho, perda de produtividade e custos com planos de saúde.
Atualmente, 46% das empresas ouvidas têm programas de promoção de saúde. Entre as grandes indústrias, 72% possuem iniciativas de apoio à saúde dos trabalhadores ante 41% entre as de pequeno porte e 38% entre as médias empresas.
As ações mais comuns são campanhas de vacinação, presentes em 81% das indústrias, seguida por iniciativas de combate à hipertensão (78%), estímulo à atividade física (78%), combate ao diabetes (72%) e orientação nutricional (71%).